para que as aves não esqueçam o voo... e as árvores não deixem de anunciar a primavera...

Seguidores

terça-feira, 22 de setembro de 2009


presa no olhar da tarde.

prolongo-a.

gotícula suspensa a reflectir o espanto

ou cântico de velas a acariciar o vento.

fio amarelecido ou teia a envolver memórias.

cor amaciada.

outono a derreter-se em sopro e mel.

licor silvestre. repouso de horas de incerteza.

estremecer de pensamento.

olhar secreto. brando entendimento.

silencioso entrelaçar de braços

e voo de asas a nascer no teu sorriso.
**

18 comentários:

AnaMar (pseudónimo) disse...

O primeiro dia de Outono com um sorriso de Verão, mesmo que seja o ultimo dia.
Bjs

O Profeta disse...

Uma pedra que fala
Uma baleia azul voadora
Um gato de cor rosa e chapéu de côco
E uma intensa luz mesmo quando o sol vai embora

Qual Sol?!
Nem mesmo a Lua aquí mora
Apenas uma paz que me invade a alma
E que esmorece o querer ir embora


Boa semana


Mágico beijo

Maria disse...

'silencioso entrelaçar de braços
e voo de asas a nascer no teu sorriso'

é muito bonito, querida L.
sabe a amoras silvestres e é macio como cetim. e lindo como só um sorriso pode ser...

Beijo. sempre terno

Lídia Borges disse...

Doce como frutos maduros no mel do Outono.

Um beijo

continuando assim... disse...

estremeci...o meu pensamento :)

gostei

beijo
teresa

Mariz disse...

Que o solstício traga novas brisas, pelas horas que vão passado de MAIS CERTEZAS!
Que o doce sabor a mel.. - que não amarelecido pelo tempo - se faça cumprir através do entendimento do SER... nesse majestoso SOPRO: CONHECER!

Abraço meu... doce, sem açucar
MAriz

ESPAVO!

Ana Oliveira disse...

Espanto...
E nem sei porquê
De tão certas as palavras
E tão largos os voos...

Os teus
Dedos de oiro
Pintam as notas
Do canto das aves
Que anunciam o Outono
E
Adormecem o silencio
No abraço macio
Com que embalas
Os sonhos...

Beijos

Ana

Angela Ladeiro disse...

Bonito presente ao Outono, que também pode ser o da Vida!

Graça Pires disse...

"outono a derreter-se em sopro e mel."
Outono que se desfolha em nós e nos devolve o "brando entendimento".
Muito belo o poema.
Um abraço.

Mariz disse...

ERRATA:

"pelas horas que vão passando com mais certezas"!

Abraço meu
Mariz

(Espero que não tivesse levado a mal a minha resposta lá.)

maré disse...

brando outono
no ventre amadurecido do sol.
silencioso rumor de memórias e asas.


_____
e mais um sorriso
e um beijo

Barbara disse...

Gostei demasiado, dessa coisa de "teia a envolver memórias".
Parei por um tempo e por mais muito tempo vou ficar imaginando tudo o que significa isso , mas de muitas maneiras.
Desafiante apesar de muito bela a sua poesia.
Isso tem um grande valor.

maria josé quintela disse...

o olhar da tarde é doce e fértil.



um beijo.

avlisjota disse...

Preso ao teu poema estou... suspenso nestes minutos, admiro a leveza, o estar, o vento, a brisa... que corre do teu poema, poema que corre no meu encantamento.
Poema outonal que pintas, com cores quentes e aromas silvestres no nascer d´um voo brando.

A tua poesia é para mim um brando entendimento e um bem sentir, um bem estar...

Beijos

José

Maresias disse...

Um olhar de outono no calor de um sorriso

que de leve

se fez asas e voou.

Lindo. Lindo.

.
.
.
.


Deixo-lhe um beijo com sabor a mel

e um muito obrigada por tudo.

mia disse...

Calmo. Como se ouvisse uma sonata numa tarde de Outono, embalada na minha rede! O tempo empalidece a folha mais branca e morre-se devagarinho, devagarinho, a cada segundo. Vale a pena viver intensamente todos os dias.

Pedrasnuas disse...

UM TARDE LONGÍNQUA...DEMORADA... UM TEMPO DE SABORES...DE ENTENDIMENTOS...DE ESTREITAR OS LAÇOS...E UM SORRISO...
UMA TARDE QUE VEIO PARA FICAR...

BEIJO NESSA TARDE

gabriela rocha martins disse...

neste teu outonar

me desteço

em pensamento

e sorriso

( saio de mansinho com )



.
um beijo



Chove no país das fadas...

e até as árvores se esqueceram de anunciar a primavera!...


Acerca de mim

A minha foto
procura de um sentido... .-.-.-.-.-.-.-.-.-.-. "em cada um de nós há um segredo, uma paisagem interior com planícies invioláveis, vales de silêncio e paraísos secretos" --A. Saint-Exupéry--